A DESTRUIÇÃO DA LINGUAGEM COMO COMPONENTE ESSENCIAL DE OPRESSÃO



Clique para ampliar

DIZER A VERDADE EM TEMPOS DE MENTIRA UNIVERSAL


INSINCERIDADE E LINGUAGEM


Clique para ampliar

DO ABSOLUTISMO DO ESPÍRITO AO ABSOLUTISMO DA RAZÃO


Clique para ampliar

UM PENSAMENTO PURAMENTO HISTÓRICO É NIILISTA




HÁ CRIMES DE PAIXÃO E CRIMES DE LÓGICA


PENSA QUE DE ALGUM MODO ÉS JÁ CADÁVER



Timestamp Format

MEMÓRIA DIVINA


Clique para ampliar

NOTAS PECULIARES DA CULTURA CATÓLICA













Clique para ampliar (esp)

DEUS ANUNCIADO COMO LOGOS



Clique para ampliar

NÃO BASTA ESTAR INTELECTUALMENTE CONVENCIDO DA VERDADE, É NECESSÁRIO DEIXAR QUE A GRAÇA OPERE


Dois caminhos distintos: Scheler e Dietrich

ANTÓNIO MACHADO REFUTA DESCARTES


MACHADO DE ASSIS FRASISTA


GABRIELE AMORTH FALA SOBRE O ROCK



Dublado

PADRE PIO CRITICOU A IDOLATRIA DO ROCK



Clique para ampliar (inglês)


Padre Pio recusou-se a fazer transmissões de rádio, pois estava aborrecido com as rápidas mudanças da moda, com as minissaias, a idolatria do rock, a liberação sexual, e certos filmes...

POR QUE O ROCK E A FÉ CRISTÃ SÃO INCOMPATÍVEIS ?


Clique para ampliar

RATZINGER E O ROCK IN ROLL

Clique para ampliar

A IGREJA O ROCK


A IGREJA E O ROCK


A inexistência de um documento magisterial sobre o assunto não torna o rock compatível com a fé católica. O argumento que alguns usam para compatibilizá-lo é falacioso. Do mesmo modo, alguém poderia argumentar a liceidade do funk devido a inexistência de uma condenação pelo magistério da Igreja. Ademais, mesmo não existindo documento condenatório, é pelo menos certo que muitos membros do clero já manifestaram sua radical incompatibilidade com a fé católica. Portanto, é no mínimo imprudente defender o contrário.

Vejamos:

O ex-pró-prefeito da Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos (1996), o Cardeal Jorge Arturo Estevez Medina, no Chile, em 1992, tentou proibir que o grupo de rock Iron Maiden se apresentasse. (Conclave, John Allen, Ed. Record, p. 219)

O Cardeal Ratzinger, hoje papa Bento XVI, afirmou que o rock é «expressão de paixões elementares que, nos grandes concertos musicais, assumiu caráter de culto, ou melhor de contra-culto que se opõe ao culto cristão». Ademais, acusa o rock de querer falsamente «libertar o homem por um fenômeno de massa, perturbando os espíritos pelo ritmo, o barulho e os efeitos luminosos» (Joseph Ratzinger, O espírito da Liturgia, Ed. Paulinas)

Ademais, em 1985, no International Church Music Congress em Roma, Joseph Ratzinger afirmou que o “rock é tornou-se o veículo decisivo de uma contra-religião e que, portanto, requer uma separação de caminhos.” “O rock procura liberação através de uma liberdade anárquica. Mas é precisamente por isso que o rock é tão completamente a antítese do conceito cristão de redenção e liberdade, na verdade seu exato oposto.”

Disponível em Inglês: http://www.remnantnewspaper.com/Archives/2010-02-mjm-popes-newspaper.htm

O Pe. Bertrand Labouche da FSSPX que fez um breve estudo comparativo entre a música clássica e o rock, mostra que a inversão dos elementos musicais do rock não é uma simples idéia original; faz parte do ideal revolucionário. Diz que o efeito de tal inversão é substituir a tranqüilidade da ordem pelo caos, a paz pela insatisfação, a vida pela morte. E conclui seu estudo dizendo que “basta um pouco de senso comum para compreender que o cristianismo e o rock são incompatíveis: o cristianismo é a religião da ordem, porque trabalha com a finalidade de restaurar todas as coisas em Nosso Senhor Jesus Cristo. O rock é uma música desordenada, pois a hierarquia dos elementos musicais (melodia – harmonia – ritmo) está invertida. É a revolução na música e a música da revolução. Um “rock cristão” é algo tão contraditório quanto um “sofisma arrazoado”. (Pe. Bertrand Labouche, Bach e Pink Floyd, Música clássica e Música Rock)

Monsenhor Williamson diz que o Rock estimula a secreção do hormônio epinefrina, faz diminuir no sangue o cálcio de grande importância para dirigir os sistema nervoso, e o açúcar, único alimento do cérebro. Daí os nervos ficarem esgotados e o cérebro desarranjado, após um concerto de Rock. A forte estimulação da sensualidade, e concomitante depressão da inteligência e da razão desemboca no erotismo e na violência; ora este suicídio da razão tende ao suicídio propriamente dito" (Cf. Mons. R. Willianson, in Semper no. 2 Revista da Fraternidade Sacerdotal S. Pio X, Portugal, pag, pag. 28-29)

O Padre J.P. Règimbal, baseando-se em ampla documentação expôs a história da música rock e suas conseqüências médicas, psicológicas, morais e sociais. (Padre J. P. Regimbal, Rock in Roll, Disponível em: http://www.geocities.ws/catolicosalerta/rock/rock_and_roll_1.html

O falecido teólogo beneditino Dom Estevão Bettencourt afirmou que : o “Rock” não é apenas um ritmo musical, mas implica uma filosofia de vida e todo um mundo de paixões, que podem estar revolucionando a sociedade, com grande detrimento para a cultura, a ciência e a educação. Em conseqüência do cultivo do “rock”, têm-se verificado suicídios, instigados pela letra de certas canções, e a dificuldade do jovem para estudar e se formar num determinado ramo do saber e da profissionalização. Segundo Dom Estevão, também se tem registrado a invocação de Satanás em certas peças de “Rock”, juntamente com incitação ao erotismo, ao homossexualismo e ao incesto.” (Fonte: Revista: “PERGUNTE E RESPONDEREMOS”, D. Estevão Bettencourt, osb. Nº 349 – Ano 1991 – Pág. 284.)

O Cardeal John O’Connor, Arcebispo de Nova Iorque, chamava a atenção, também em 1990, para “a violência instigada diabolicamente” por alguns autores de “Rock”. Assinalava que a música heavy metal pode levar alguns jovens a práticas satânicas. (Fonte: Revista: “PERGUNTE E RESPONDEREMOS”, D. Estevão Bettencourt, osb. Nº 349 – Ano 1991 – Pág. 284.)

O Padre Paulo Ricardo, associa a cultura rock à miséria do neo-paganismo e a cultura da morte triunfante no Rock in Rio, no programa Parresía de número 40. (Parresía, 40)

Por fim, o principal exorcista do Vaticano, o padre Gabriele Amorth reconheceu o satanismo e ocultismo, está chegando aos jovens através da música rock. Para o famoso exorcista, o rock tem concorrido para a disseminação do poder do demônio.

Disponível em: http://www.lepanto.com.br/dados/DCsat2.html

e aqui:

http://www.remnantnewspaper.com/Archives/2010-02-mjm-popes-newspaper.htm


NÃO HÁ ROSAS, MAS PEDRAS NO CAMINHO DA VERDADE


Clique para ampliar

FOUCAULT, AUTOPROCLAMADO PEDÓFILO, DEFENDIA O FIM DA UNIDADE FAMILIAR


Michel Foucault, pedófilo e sadomasoquista



Clique para ampliar (esp)


Fé, História, Filosofia e Literatura

About this blog

Follow by Email

Seguidores

Archivo del blog